(Interlúdio) Passado e Presente

Ir em baixo

(Interlúdio) Passado e Presente

Mensagem por Niume em Qui Jul 05 2012, 23:17

Os corpos ainda queimavam em chamas altas quando a decisão foi tomada. Aquela batalha havia acabado, mas a guerra estava apenas começando. Aqueles homens e mulheres, aquelas pessoas, eram apenas as primeiras a perderem suas vidas naquele campo sangrento. Outras seguiriam-nas de perto e muito antes do que qualquer um deles ali gostaria de ver. Niume nunca antes em sua vida, tinha visto tamanho massacre, nem mesmo em Haffingar. Nunca tinha sentido o cheiro de sangue humano tão fixo dentro de suas narinas e a morte nunca tinha segurado tão forte em sua mão. Parte dela olhava os corpos arderem com certo costume, uma visão casual, enquanto o resto olhava a tudo horrorizada. A parte dela acostumada a batalha, lamentava por sua fraqueza, lamentava ter sido tão fraca diante da escuridão e ter podido fazer tão pouco.

... Como ligar o que eu fui, ao que posso ser? Como conectar passado e o presente? Como... Como ser a Imperatriz que Protege os Mundos?....

Suas próprias palavras surgiram em sua mente, dançando sobre as chamas e com elas, a expressão desafiadora e irônica, o brilho travesso dos olhos de Syrus.

...Três opções. Encontrar sua tumba. Encontrar a minha tumba. Ou... encontrar alguém que ainda esteja vivo, mesmo depois de tanto tempo...

E então, era isso. O que precisava, para ser o que precisava. A saída, para unir passado, presente e futuro. Ela precisava encontrar a sua tumba, ou encontrar a tumba de Syrus, ou ainda, encontrar alguém vivo, alguém que estivesse estado com ela antes. As tumbas eram sua melhor chance. Se Syrus tivesse morrido primeiro, Ceres com certeza saberia onde achar a tumba dele, se fosse o contrario, então Syrus saberia onde acha-la. Niume precisava viajar no tempo outra vez. Precisava dos olhos de Ceres nos seus, precisava dela em si.

A morena afastou-se do fogo e recolheu-se ao pequeno quarto que lhe tinha sido arranjado quando tudo terminou. As roupas sujas da batalha ainda estavam espalhadas ali, o tonel de agua também ainda estava ali. A bagunça parecia maior ali dentro do que lado de fora, mas era silencioso, longe da fumaça e podia relaxar. Ela aproximou-se da cama e sentou-se, tirou as botas e esticou as pernas nuas sobre o colchão, depois deitou-se, afundando a cabeça no travesseiro. Ela respirou fundo algumas varias vezes antes de conseguir manter os olhos fechados por mais de um segundo e quando o fez, levou um tempo incontável para que os pensamentos tumultuados abandonassem sua mente. Pensou no fim, no ultimo lugar onde Ceres havia estado, no lugar que ela havia criado para ser o ultimo, provavelmente tinha sido assim, afinal era a tumba de alguem importante. Pensou no tempo mas os pensamentos começaram a flutuar, guiar-se em outras memorias, divagar sobre o que ela nem mesmo sabia explicar. O tempo passou e enfim parou.
....

O vento batia em seus cabelos, o ar úmido, a sombra era quase fria sobre sua pele. Podia sentir a pureza do ar. Os olhos estavam fechados, mas sabia muito bem onde estava. Abriu os olhos e encarou a enorme montanha a sua frente. O topo perdia-se entre as nuvens, mas podia ver a neve descendo a encosta, mas não alcançava o chão. Ali, os pés tocavam a grama úmida.

- É por aqui minha Senhora...

A voz dele soou calma a seu lado. Os olhos viraram-se e ela o encontrou, sorrindo de forma gentil. Ele deu alguns passos a frente e estendeu a mão a ela, para ajuda-la a caminhar. Claro que ela não precisava de ajuda, mas era gentil e estendeu a própria para tocar os dedos dele, segurando-os com firmeza enquanto sentia Syrus puxa-la na direção da montanha. Juntos, começaram a subir. Ela olhou para trás, estavam completamente sozinhos.

-Quem mais sabe?

Perguntou, olhando as pedras irregulares onde apoiava os pés durante a subida. A essa altura, tinha soldado a mão dele, para poder apoiar-se nas pedras.

-Apenas eu e você...

A subida levou mais tempo do que imaginava. Quando finalmente pararam, Ceres tinha a sensação de que não conseguia respirar com mais força e nem mesmo mais rápido. Tinham se enfiado em uma fissura na montanha e ela apoiava as mãos nos joelhos, ofegante enquanto Syrus a instigava para que continuassem. “Falta pouco”, dizia ele, como se não tivessem acabado de subir uma montanha. Os olhos castanhos encararam os dele, quase furiosos, mas diante daquele sorriso, ela cedeu, respirou fundo e ergueu-se. Mais um passo e depois voltaram a caminhar.

Seguiram a fissura estreita por um longo tempo, desviando-se de obstáculos, subindo e descendo pequenos níveis, até chegarem a uma área aberta ali dentro, como um oco dentro da montanha. Ali, outra floresta se erguia e de algum lugar, a luz do exterior penetrava o interior da montanha. Era como lindo jardim entre as rochas. Syrus tornou a segurar-lhe a mão e a puxou por entre as arvores menores, atravessando com ela o lugar, até o outro lado, ali outra fissuras e sobre uma delas, esculpido na pedra, o desenho da casta.

...

Niume abriu os olhos levemente ofegante, como se tivesse sido ela a subir uma montanha, os olhos encararam o teto de madeira enquanto revivia as imagens em sua mente. Um suspiro e ela sentou-se na cama, agora pensando nos mapas que tinha estudado com Alfadur, neve e florestas, aquilo só podia ser no leste, onde o inverno terminava e a natureza começava a estender os dedos. Esfregou os olhos, apertou os dedos sobre eles até ficarem vermelhos e por fim, um nome, podia estar errada, mas tinha uma direção. Northfall.

Ela partiria no dia seguinte, despediu-se de poucos, apenas com a garantia de que voltaria em breve. Apenas de Alfadur a despedida foi mais longa e com mais explicações, mas aquilo era algo que devia fazer sozinha, podia apenas torcer para vê-lo de novo quando voltasse, que a escolha dele fosse também a certa para o que ele queria.

Ao primeiro sinal do amanhecer, Niume estava de partida com a Liga Haslanti. Pegaria carona com eles até onde fosse possível e seguiria de onde parassem. Ela ia para o leste, seguindo a direção das montanhas que marcavam o fim do norte.

avatar
Niume
Usuário
Usuário

Mensagens : 111
Data de inscrição : 02/02/2012

Sheet
DV/MDV: (Dodge) 6/5
Health Levels: (Lethal) 2/7
Acc/SoakL/Ess/EssP: 13/2/16-16/37-37

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: (Interlúdio) Passado e Presente

Mensagem por 25Slash7 em Sex Jul 06 2012, 16:13

Niume havia sido a segunda a partir.

Como uma gentileza por alguém que havia lutado por eles pela batalha em Whiteribs, a Liga Haslanti ofereceu-se a lhe conceder uma carona até o mais próximo que suas rotas comerciais fossem capazes de alcançar.

A viagem em um dos diriveis foi relativamente tranquila, apesar de que pouco confortável. Sendo um veículo cuja função principal era transportar mercadoria, o espaço para a tripulação era reduzido ao máximo, cabendo apenas o essencial, nada além.

Seguia seu instinto. Seguia aquilo que ela acreditava ser o seu destino.

De cima, ela olhava a imensidão branco que, lentamente, começava a se tornar terra, aos poucos ficando esverdeada...

A viagem foi longa.

Foi deixada em uma vila no extremo leste. Um pequeno povoado onde pôde reabastecer seus manetimentos e conseguir algumas informações, para, em seguida, partir...

Desta vez, o caminho foi solitário. Não havia ninguém que lhe puxasse a mão em um momento mais íngreme (por mais que ela achasse desnecessário). A subida era quase tortuosa, em alguns momentos, sentia que estava dando um tiro no escuro, mas, no fundo... alguma coisa dentro dela lhe dizia que ela estava seguindo na direção certa.

Quando chegou até a fissura, suas vestes já estavam rasgadas, tinha algumas escoriações e o cansaço dominava o seu corpo. Não se lembrava de ser tão cansativo.

Mas então, finalmente...

Era como um enorme jardim. As árvores altas faziam um desenho cuidadoso dos contornos daquilo que era a entrada do que ela julgava ser o seu próprio mausóleo.

A porta era uma construção de um metal prateado, cuja luz do sol era refletida por todo o pequeno vale. Haviam desenhos onde uma mulher erguia-se sobre a multidão, asas imponentes e um arco em sua mão. A sua direita, um soldado com o desenho de um lobo no peito, empunhava um escudo, como se estivesse pronto para protegê-la.

Tocou a porta com os dedos cansados e ouviu o vento ressoar em seus ouvidos "Diga teu nome e se for a pessoa certa, deixarei que entre".
avatar
25Slash7
Administrador
Administrador

Zodíaco : Peixes

Mensagens : 692
Data de inscrição : 09/07/2009
Idade : 33

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: (Interlúdio) Passado e Presente

Mensagem por Niume em Sex Jul 06 2012, 18:14

A carona dos Haslanti foi uma mão na roda. Pelo mapa, Niume imaginou que a distancia a percorrer até Northfall fosse grande, mas não tão grande quanto realmente foi naquele dirigível, estaria ainda no meio do caminho se tivesse seguido a pé. Na cidade, ela reabasteceu-se com o necessário. A viagem foi bastante tranquila para ela, já que o conforto não era algo do que ela sentia falta. Comida e um manto mais grosso para o frio, melhor prevenir do que chegar até lá e morrer de frio.

Depois, estava pela primeira vez sozinha. Não era a floresta gelada atrás do castelo que ela conhecia de olhos fechados. Era algo novo, rumo ao desconhecido. Estava sozinha como em sua visão, tudo que tinha era seu instinto e a vontade de seguir seu destino. Tudo que ela tinha, era a pequena fagulha dentro dela, dizendo que estava seguindo a direção certa. O caminho foi solitário, não havia quem lhe puxasse pela mão. Os dedos firmavam-se as pedras íngremes, cortavam-se, sangravam. Escorregava alguns metros pelas pedras ao pisar em falso, rasgava as roupas, ganhava hematomas e tinha de recomeçar. No sonho, não parecia tão íngreme e difícil, devia ter imaginado que não seria difícil.

Quando chegou fissura pode finalmente respirar. Apoiou as mãos machucadas nos joelhos e o peito doía tanto que cada respiração era uma fisgada entre as costelas. Podia deitar ali mesmo e dormir, dormir por dias. Mas não era hora, ergueu-se e forçou-se a seguir em frente até finalmente achar o jardim. Era lindo como havia imaginado, se não fosse melhor. As arvores altas faziam um desenho cuidadoso dos contornos daquilo que era a entrada do que ela imaginava ser o mausoléu de Ceres. Sorriu satisfeita e aliviada, estava no lugar certo, achava.

Era como um enorme jardim. As árvores altas faziam um desenho cuidadoso dos contornos daquilo que era a entrada do que ela julgava ser o seu próprio mausóleo. A porta era um construção de um metal prateado. Haviam desenhos de uma mulher erguendo-se sobre a multidão, asas imponentes e um arco em sua mão. A sua direita, um soldado com um lobo no peito. Niume sorriu, assentindo e foi adiante. Ela tocou a porta com os dedos feridos e ouviu o vento ressoar em seus ouvidos.

"Diga teu nome e se for a pessoa certa, deixarei que entre"

Talvez não tivesse a chance de responder duas vezes, ou três. Teria que arriscar.

-Eu sou Niume. Eu sou Ceres. Eu sou a Imperatriz que protege os mundos.

Falou com firmeza. Eram duas e eram apenas uma.
avatar
Niume
Usuário
Usuário

Mensagens : 111
Data de inscrição : 02/02/2012

Sheet
DV/MDV: (Dodge) 6/5
Health Levels: (Lethal) 2/7
Acc/SoakL/Ess/EssP: 13/2/16-16/37-37

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: (Interlúdio) Passado e Presente

Mensagem por 25Slash7 em Qui Jul 12 2012, 22:58

Silêncio.

Não houve qualquer movimento das portas diante das palavras de Niume. A garota aguardou e aguardou. Talvez houvesse algum outro caminho, talvez...

A incerteza a fez insegura e sua insegurança agitou seu espírito e, quando isso aconteceu, inconscientemente, o símbolo em sua testa começou a brilhar e a luz dali emanada, banhou a porta.

"Imperatriz... minha Imperatriz..."

E o ranger da porta ecoou e logo se abriu, revelando escadas que desceriam em direção ao centro da montanha

Um vento sombrio e quente preencheu as suas narinas e roubou-lhe o ar. E ela soube... soube, de imediato, que ele....

Desceu um passo... outro passo... e começou a correr. Disparou, sua essência brilhando e iluminando o caminho sombrio. Não teve tempo de olhar para as paredes, onde histórias da Imperatriz e seus feitos eram contados. As guerras travadas, as justiças aplicadas. Nomes daqueles que haviam sido mortos diante daquilo que ela um dia chamou de justiça.

Tropeçou, caiu alguns degraus, como uma criança cairia ao atrapalhar-se em sua pressa. Levantou e avançou. Sua essência, lentamente, se tornando mais e mais forte, até que um clarão se revelou e...

Sol. Estava em uma sala com a forma de uma estrela de cinco pontas. No centro, um pequeno buraco, por onde a luz do sol passava, larga o suficiente para acomodar, uma flecha.

As paredes eram feitas do mais puro Orihalcum, de modo que a menor luz era refletida por todos os cantos. Candelabros apagados estavam caídos pelo chão. Seus olhos vagaram ao redor até chegarem ao centro onde viu um enorme baú, cravado de jade e ouro... seus pertences. Seus pertences quando era a Imperatriz que Protege os Mundos.

A frente do baú uma pequena escadaria, com não mais do que 17 degraus. E lá... seu túmulo. Sabia que seu corpo ali estaria, ou o que restou dele.

Deu um passo a frente, quase inconsciente. Teria dado um segundo se não fosse o som de algo movimentar-se às suas costas e, a sensação de ameaça seguida por um rugido furioso, ensandecido. Das sombras, a imagem de uma criatura meio homem, meio lobo, surgiu.Os pêlos enegrecidos eram manchados por sangue seco, ressecados. O corpo coberto por tatuagens prateadas e o símbolo de uma lua cheia manchada de carmim em sua testa.

Niume olhou... olhou bem e soube. Que o que quer que ali estivesse, estava perdido. Que o que quer que ali estivesse...

A criatura grunhiu e deu mais quatro passos ameaçadores, antes de disparar na direção da Solar. Suas garras eram gigantescas. O tom prateado era refletido pela luz do sol e se Niume nada fizesse, logo o chão estaria manchado de vermelho.
avatar
25Slash7
Administrador
Administrador

Zodíaco : Peixes

Mensagens : 692
Data de inscrição : 09/07/2009
Idade : 33

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: (Interlúdio) Passado e Presente

Mensagem por Niume em Sex Jul 13 2012, 14:05

Silêncio.

Cada instante sem uma resposta, sem qualquer movimento das portas diante de suas palavras a enlouquecia. Ela aguardou, mas não era nenhum segredo, paciência não era o seu forte. Ela tornava-se ansiosa a cada instante, tornava-se inquieta a cada segundo de silencio, a sensação de ter errado na escolha das palavras e o erro, parecia inaceitável.

A insegurança e o erro lhe agitaram o espirito de forma inconsciente, quando se deu conta, o símbolo em sua testa já brilhava com força, emanando sua luz e banhando a porta.

"Imperatriz... minha Imperatriz..."

O ranger da porta ecoou e logo se abriu, revelando escadas que desciam em direção ao centro da montanha. Niume tinha esperado muito por aquele momento e agora que ele abria-se diante dela, sentia as mãos geladas e o coração palpitando como um cavalo selvagem. Um vento sombrio e quente preencheu suas narinas e lhe roubou o ar. Naquele instante ela soube...

Era tarde para ter controle, mesmo que tentasse. Planejou descer as escadas com calma, passo a passo, planejou olhar as paredes enquanto sua essência iluminava o caminho sombrio, mas quando deu por si, estava correndo. Atropelava os próprios passos, ignorando toda a historia da Imperatriz e seus feitos, as paredes passavam por ela como borrões. Tropeçou, caiu alguns degraus abaixo, como se tivesse perdido o controle das próprias pernas. Nem mesmo se dava conta de que prendia a respiração varias e varias vezes, até os pulmões forçarem novamente a entrada do ar. Ela levantava-se diante de cada tombo, sentindo sua essência mais e mais forte, até que um clarão revlou-se e ela pode ver de novo o sol.

Niume parou, ofegante. Os olhos ansiosos percorrendo a sala em forma de estrela. No centro, um pequeno buraco por onde a luz passava, não muito maior que uma flecha, mas parecia o suficiente. Aquela pequena quantidade de luz refletia-se por toda a parede feita de um material que ela nunca tinha visto. Pegou-se curiosa para se aproximar e toca-las, mas havia algo mais que lhe chamava a atenção. Os olhos repousaram sobre o enorme bau cravado de jade e ouro.... seus pertences, ela soube. Respirou fundo, mordendo o lábio inferior levemente ansiosa. A frente do bau uma pequena escadaria e lá seu tumulo. Niume queria tanto ve-la, mesmo que agora, talvez não fosse mais nada além de uma pilha de ossos, mas precisava. Precisava olhar Ceres, toca-la de algum jeito.

Deu um passo a frente, quase inconsciente. Teria dados um segundo se não fosse o som de algo se movendo as suas costas e a sensação de ameaça seguida por um rugido furioso e ensandecido. Niume virou-se rapidamente, os olhos levemente surpresos. Não esperava encontrar nada com vida ali dentro, ainda mais tão.. monstruoso. Parecia enlouquecido, os pelos manchados por sangue seco, o corpo coberto de tatuagens, a lua cheia manchada de carmim em sua testa.

Talvez fosse..........

Niume o olhou e soube. Embora não soubesse exatamente do que. A criatura deu mais quatro passos ameaçadores e em resposta, ela deu quatro passos para trás, receosos. Perto demais para que ela tivesse tempo de dispara uma flecha, mas tinha o bastante para se defender no improviso. Niume apenas pensou e no instante seguinte, teria o enorme arco dourado em seus dedos, a arma tinha praticamente a sua altura e Niume a moveu com agilidade, como um bastao para acerta-lo entre as costelas ou braço enquanto ela ganharia tempo para se afastar mais e ajeitar a mira. Sentia parte dela querendo gritar e ficar imóvel, mas era loucura.
avatar
Niume
Usuário
Usuário

Mensagens : 111
Data de inscrição : 02/02/2012

Sheet
DV/MDV: (Dodge) 6/5
Health Levels: (Lethal) 2/7
Acc/SoakL/Ess/EssP: 13/2/16-16/37-37

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: (Interlúdio) Passado e Presente

Mensagem por 25Slash7 em Sab Jul 14 2012, 10:38

Sua velocidade era assustadora e o que impediu Niume de evitar o ataque em um ato quase desesperado, nada mais foi do que o puro reflexo. Desde sua exaltação, ainda que ocasionalmente pudesse perder o controle, a garota havia desenvolvido nervos de aço, acurados, e prontos para responder.

O arco chocou-se contra as suas costelas, fazendo um som oco e doloroso. Forte o suficiente, apenas, para impedir a maior parte do ataque e desviar o braço da criatura, fazendo com que a Escolhida do Sol recebesse não mais do que uma ombrada, sendo deslocada cerca de dez metros para trás, tamanha a força.

- Grrr...

O monstro rangeu os dentes. Um líquido viscoso escorria por entre os dentes, seus pêlos negros eram meio endurecidos, como o de um cão que fica tempo demais sem cuidado. O ar que escapava pelas suas narinas era denso, fumegante, quente.

Mais uma vez, ele deu um passo a frente. E enquanto o fazia, seu braço direito inteiro era transformado em uma mistura de Moonsilver e sangue, com veias negras salientes e que davam um aspecto assustador. Niume jurou ter visto um sorriso sádico se formar.

E então a criatura correu em sua direção.

E o medo... o medo despertou algo nela. O mundo parou e seus sentidos se expandiram.

A criatura era rápida. Mas ela, ela era um Solar e sabia, que dentro de si havia o potencial para ser mais rápida. Poderia ultrapassar a criatura e ir em direção a porta e trancá-la ali.

Com seu arco em mãos, notava, também, que a criatura era ameaçadora, mas, entre a distância que havia entre, ela poderia canalizar a sua energia por tempo suficiente para disparar um tiro certeiro contra o coração do monstro.

Talvez, talvez houvessem outras alternativas. Talvez.

De uma forma ou de outra, Niume deveria agir agora.
avatar
25Slash7
Administrador
Administrador

Zodíaco : Peixes

Mensagens : 692
Data de inscrição : 09/07/2009
Idade : 33

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: (Interlúdio) Passado e Presente

Mensagem por Niume em Sab Jul 14 2012, 14:08

Sua velocidade era assustadora e o reflexo foi tudo que a salvou naquele instante de levar aquelas longas garras músculos adentro. Talvez não tivesse tido tanta sorte se não tivesse exaltado antes, seus reflexos humanos jamais teriam sido tão rápidos. Por um segundo, chegou a achar que não teria tempo o suficiente e quase pode senti-lo rasgando-a.

Ela sentiu o arco chocar-se contra as costelas dele, pode sentir a vibração do impacto pela essência do arco e pelos músculos rigidos, antes de ser jogada cerca de dez metros para trás com a força da ombreada que recebeu da criatura monstruosa. Ela gemeu baixinho, estremecendo, mas não perdeu tempo em reclamar, logo se recompôs, encarando a criatura nos olhos enquanto esta também parecia melhorar seus truques.

Niume agora parecia não ter um pingo de juízo. Seria ótimo se Ceres lhe sussurrasse alguma coisa, seria simplesmente incrível, se Ceres lhe tomasse o corpo, como lhe fazia com os pensamentos. Talvez estivesse louca em imaginar que Syrus pudesse ter ficado todos aqueles anos trancado ali dentro, ou talvez, a loucura que via nos olhos da criatura se desse justamente pelo confinamento ali. Não podia ser outro, do contrario, ela não teria a sensação tão viva de que machuca-lo era errado. Não queria... não conseguia.

-Syrus!

Ela tentou chamar com firmeza enquanto os dedos puxavam uma flecha dourada junto ao arco. A respiração levemente ofegante e a mira em uma das pernas.

-Syrus.... sou eu.... Ceres...

Quer dizer.. Niume. Mas Ceres ... ele com certeza reconheceria o nome. A criatura avançou e o medo despertou algo nela. O mundo parou e seus sentidos se expandiram. A flecha agora podia ser mortal. A criatura era rápida, mas Niume sabia que podia ser ainda mais rápida, faltava-lhe apenas a vontade. As pernas que não queriam se mover.

-Min kærlighed.....

As palavras saíram sozinhas. Numa firmeza doce que apenas o tom de Ceres conseguia alcançar. Por um segundo, ela sentiu as mãos tremulas. Significado que apenas Syrus seria capaz de reconhecer, o jeito que apenas ela usava quando estavam sozinhos para se referir a ele. Niume estava arriscando tudo deixando os movimentos rápidos para o ultimo segundo, ela sairia da frente apenas no ultimo segundo, os dedos seguravam a flecha com tanta força que não conseguiria atirar.
avatar
Niume
Usuário
Usuário

Mensagens : 111
Data de inscrição : 02/02/2012

Sheet
DV/MDV: (Dodge) 6/5
Health Levels: (Lethal) 2/7
Acc/SoakL/Ess/EssP: 13/2/16-16/37-37

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: (Interlúdio) Passado e Presente

Mensagem por 25Slash7 em Seg Jul 16 2012, 18:34

Niume tensionava os músculos enquanto observava a criatura ensandecida avançar em sua direção. Cada passo era como uma afronta direta a sua vida, cada passo era a promessa de uma morte dolorosa, vagarosa.

Pensou em disparar, mas a dúvida tirou-lhe a coragem. E se...?

Não. Não poderia ser. Aquela... "coisa" em nada lembrava o seu protetor, seu guardião, seu confidente... não.

"Min kærlighed"

Ceres, ou Niume, era veloz. Mas a criatura, naquele instante, foi mais. Suas garras cravaram no ombro da Escolhida do Sol e fizeram um profundo rasgo, que evitou que seu braço fosse decepado por uma questão de sorte.

Ela girou, rodopiou e foi ao chão, sua mão quase incapaz de segurar o arco, mas ainda forte o suficiente para empunhá-lo em um disparo derradeiro se fosse necessário.

O monstro a olhou com aqueles olhos incapazes de possuir qualquer emoção, se não a demência. Não havia prazer, sadismo ou medo. Havia, apenas, uma necessidade instintual de lidar com quem quer que houvesse entrado em seu território.

Niume estava em um extremo da sala. A criatura em outro. Entre eles, a Luz do Sol caia em um filete brilhante, como uma lembrança de que, mesmo ali, naquela escuridão, o Sol Inconquistado era capaz de alcançar em sua graça.

De uma forma ou de outra. O monstro avançaria para mais um golpe.
avatar
25Slash7
Administrador
Administrador

Zodíaco : Peixes

Mensagens : 692
Data de inscrição : 09/07/2009
Idade : 33

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: (Interlúdio) Passado e Presente

Mensagem por Niume em Ter Jul 17 2012, 13:53

Niume gemeu alto de dor quando as garras da criatura cravaram-se em seu ombro, quase arrancando-o. Foi tão rápido que nem mesmo sentiu o sangue escorrer vermelho e vivo pelo braço enquanto girava, rodopiava e ia ao chão para o outro lado da sala. Arquejando e ainda contraindo o rosto de dor, Niume colocou-se de pé, segurando com a mão boa o arco e o braço ferido.

Ela passou os olhos por ele, ensandecido, incapaz de sentir qualquer emoção. Em nada, ele se parecia com o homem que ela tinha visto em suas visões. Mas se não fosse ele, quem mais seria? Quem mais conseguiria ter tido acesso aquele lugar além dele? Se nada havia sido roubado, quem mais poderia parecer tão afinco em proteger o que restava?

-Seria ótimo receber um pouco de ajuda agora sabia Ceres?

Resmungou ela consigo mesma enquanto mesmo com o braço tremulo, segurou o arco com toda a firmeza que conseguia e puxava uma flecha. Doia, muito... Mas a dor agora não era prioridade, não podia senti-la, apenas ignora-la.

Niume estava em um extremo da sala, a criatura em outro. Entre eles, a Luz do Sol caia em um filete brilhante, como uma lembrança... ou uma ultima esperança. Quase não podia mais acreditar que aquele fosse Syrus. E se fosse, ele parecia bem disposto a mata-la. Entre matar e morrer, Niume teria de deixar a incerteza de Ceres e agir, mas agora, a vontade da outra parecia dominar a dela própria.

Ela respirou com uma leve careta enquanto puxava a flecha com força, mirou o peito da criatura, mas num ultimo instante antes de atirar, o braço se moveu e a mira mudou. A flecha disparou, não com força o bastante para derrubar o teto, mas talvez para arlagar o pequeno orifício por onde o Sol entrava. Queria que o Inconquistado banhasse mais daquele lugar, que o calor trouxesse a sanidade, ou no mínimo talvez, a lembrança. Mesmo na escuridão, o Sol inconquistado era capaz de alcançar a sua graça. Ela precisava daquele ultima tentativa.

Mal havia disparado aquela e já havia puxado outra flecha por entre os dedos. Torcia para o que o Sol fizesse um milagre, mas não podia apenas olhar e esperar. Tinha que torcer mas manter os olhos atentos na verdadeira ameaça. O braço talvez não conseguisse um disparo forte, mas estavam próximos o bastante para perfura-lo, acreditava. Se ele não parasse, ela atiraria em uma das coxas, para tentar imobiliza-lo.
avatar
Niume
Usuário
Usuário

Mensagens : 111
Data de inscrição : 02/02/2012

Sheet
DV/MDV: (Dodge) 6/5
Health Levels: (Lethal) 2/7
Acc/SoakL/Ess/EssP: 13/2/16-16/37-37

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: (Interlúdio) Passado e Presente

Mensagem por 25Slash7 em Ter Jul 17 2012, 15:56

Um rugido cortaria o silêncio feito entre eles. No instante seguinte, lá estava ele, avançando contra a garota. Os olhos profundos e cheios de angustia haviam tomado uma tonalidade carmim, uma expressão clara e assustadora da violência que havia tomado o espírito daquela criatura.

Ele correu e preparou-se para o golpe derradeiro. As flechas de Niume viajando em direção ao buraco no teto. O homem-lobo, contudo, parecia não se importar.

A Solar teve a certeza que Ceres não a ouviria. Que quem deveria lidar era Niume e apenas ela.

Certeza que foi consolidada, quando a criatura saltou contra a Escolhida, as garras prontas para rasgá-la.




- Irá nos guiar...

- Do que você está falando?

- Se algum dia, nós nos perdemos. Se algum dos horrores que nós enfrentamos fazer com que esqueçamos quem somos... o que representamos... o que você representa para mim...

- Syrus...

- Nós iremos nos reunir. Eu não me esquecerei... eu... se a escuridão me envolver e trevas se formarem de tudo que eu veja e tudo que eu toque. Se você for a única chama, a única fonte de luz... eu me queimarei em você, de bom grado.




O golpe, contudo, não veio. Niume abriu os olhos. Suas mãos trêmulas ainda sentiam o toque do seu arco dourado.

- Ceres?

O Lobo estava de joelhos. Naquela forma, mesmo prostado, era maior do que a Imperatriz.

- Eu... esperei...

Falava em grunhidos, em uma linguagem que Niume não se lembrava de ter aprendido, mas que ela sabia. Sabia porque Ceres soube um dia.

A luz iluminava todo o salão agora. O sol sendo refletido por cada parede feita de Orihalcum. Uma luz que ardia, mas, ao mesmo tempo, purificava.

Ceres, ou Niume, não precisou perguntar o que havia acontecido. Ali, naquele instante, suas almas se conectaram novamente e a Escolhida soube, soube que ele havia sobrevivido o massacre dos Solares a muitos e muitos anos. Soube que ele construiu aquele túmulo para ser o seu túmulo e o túmulo de sua imperatriz, mas que a espera, a incerteza e o medo o corromperam, distorceram sua forma física e seu espírito.

Syrius respirava com alguma dificuldade, como se o ar puro fosse caústico ao seu pulmão. Ralhava a garganta e os olhos, que agora haviam tomado uma tonalidade humana.

- Eu esperei...

Disse, mais uma vez, entre grunhidos e palavras. Cansado, o protetor da imperatriz, arqueou o corpo para frente, gentilmente, e seu focinho repousou sobre o ombro da Escolhida do Sol.

Ceres soube, naquele instante, que a criatura estava debilitada. Poderia matá-lo, e seu corpo debilitado e distorcido morreria, para que sua alma se livrasse e renascesse. Poderia, também, levá-lo consigo em uma viagem que provavelmente o mataria ou que, na pior das hipóteses, sua loucura retornasse e o tomasse. Ou poderia deixá-lo ali e esperar pelo melhor.
avatar
25Slash7
Administrador
Administrador

Zodíaco : Peixes

Mensagens : 692
Data de inscrição : 09/07/2009
Idade : 33

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: (Interlúdio) Passado e Presente

Mensagem por Niume em Ter Jul 17 2012, 16:30

Ele avançou, os olhos profundos e cheios de angustia, agora tomados por uma tonalidade carmim, uma expressão assustadora. Niume sentiu um medo que nunca havia sentido antes, um tremor que nunca havia presenciado. A criatura preparou-se para o golpe que ela imaginou ser o ultimo enquanto as flechas iam em direção ao teto. Niume apertou os olhos e preparando-se para o pior. Teve a certeza de que Ceres não a ouviria, de que ela era a única que devia liderar, mas não era boa nisso. Pode por um segundo, sentir o gosto do sangue enquanto apertava os olhos, esperando...

_______

- Irá nos guiar...

- Do que você está falando?

- Se algum dia, nós nos perdemos. Se algum dos horrores que nós enfrentamos fazer com que esqueçamos quem somos... o que representamos... o que você representa para mim...

- Syrus...

- Nós iremos nos reunir. Eu não me esquecerei... eu... se a escuridão me envolver e trevas se formarem de tudo que eu veja e tudo que eu toque. Se você for a única chama, a única fonte de luz... eu me queimarei em você, de bom grado.


________

O golpe contudo, não veio. Niume engoliu a própria saliva e abriu os olhos arregalados, para sentir o peito puxar o ar com força, recobrando o ar que por um segundo, ela tinha esquecido de respirar. As mãos tremulas sentiam ainda o toque do arco dourado, mas agora, totalmente incapaz de segurar uma flecha que fosse.

- Ceres?

Ela o ouviu chamar. O lobo agora estava de joelhos, prostrado e ainda assim, maior do que ela. Ele falava em grunhidos, em uma linguagem que Niume não se lembrava de ter aprendido, mas que entendia com muita clareza. A luz do sol agora iluminava todo o salao, podia sentir o calor, mesmo estando completamente arrepiada e ainda apavorada. A cabeça latejava levemente.

Niume não precisou perguntar o que havia acontecido. De alguma forma, ela sabia. De alguma forma, ela entendia, mesmo que não fosse ser capaz de explicar. Apenas sentia e isso era o suficiente. Podia sentir o que haviam significado todos aqueles anos para ele ali dentro e a simples imaginação era o suficiente para que ela tivesse a certeza de que também teria enlouquecido.

-Shii!!!

Fez ela num impulso impensado ao sentir o lobo arquear o corpo para frente e gentilmente repousar o fucinho sobre o ombro. Ela sem nem mesmo pensar, levou a mão tremula ao rosto peludo e o acariciou ali com carinho. Estranho como o medo agora havia simplesmente sumido e levado com ele o pavor. Estranho como podia apenas sentir os olhos embaçados por lagrimas que pareciam ter se formado sem que ela notasse.

-Estou aqui.....

Sussurrou. Ela soube, naquele instante, que ele estava debilitado. Que ele, talvez, não sobrevivesse a seguir viagem com ela. Mas não podia simplesmente escolher mata-lo. Não podia simplesmente, tirar a vida dele daquela forma, por uma escolha dela. Podia dar toda a comida e agua que tinha para ele. Podia subir e descer aquela montanha todos os dias, mesmo com o braço ferido, se isso significasse que ele teria uma chance de seguir como o homem que ela tinha visto. Ou podia, ouvir dele, a decisão de morrer. A vida pertencia a ele, cabia apenas a ele decidir. Podia mata-lo, se a loucura dele fosse maior do que as palavras que ouvia, do que os olhos humanos que tinha encontrado.

Passou anos contrariando Alfadur, tagarelando com ele em seus surtos. Passou anos arriscando a própria cabeça, para trazer ao homem um pouco de luz em sua escuridão. Porque com Syrus ela não faria o mesmo? Podia simplesmente morrer ali. Mas se ele tinha uma chance.. ela arriscaria.

-Eu não vou... eu não posso tirar a sua vida assim.....
avatar
Niume
Usuário
Usuário

Mensagens : 111
Data de inscrição : 02/02/2012

Sheet
DV/MDV: (Dodge) 6/5
Health Levels: (Lethal) 2/7
Acc/SoakL/Ess/EssP: 13/2/16-16/37-37

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: (Interlúdio) Passado e Presente

Mensagem por 25Slash7 em Ter Jul 17 2012, 17:30

Foi como se um enorme peso houvesse saído de suas costas. A certeza de que ela estava ali, que havia atravessado as Eras para se juntar a ele novamente e que ele havia feito a escolha certa de esperá-la...

... escolha que agora era retribuída, enquanto Ceres optava por mantê-lo a salvo, mesmo apesar do que havia se tornado.

Ficaram por algum tempo naquela posição, sem se importarem que o mundo lá fora estava ruindo, caindo em pedaços. Fal Grey, Arquiteto, Guerras, Fome... não importava.

Não importava porque ali, naquele momento, Niume havia encontrado uma parte de si que estava perdida no tempo. Um pedaço de sua alma que ela jugara perdido e encontrá-lo, era como dar sentido ao que não tinha sentido, razão ao sem razão.

Agora ela se lembrava... se lembrava de cada detalhe de quando fez parte da Deliberativa Solar, de como ela comandou exércitos inteiros em direção aos terrores que assombravam o mundo dos homens. Lembrava-se como ela havia assumido o papel de executora da justiça. Lembrava-se de como ele, o Lobo Guardião, estava ali, ao lado dela. Seu escudo, sua lança.

Lembrou-se de seu poder. De suas obrigações para com a Criação.

E todas aquelas lembranças preencheram e transbordaram a sua alma. Naquela noite, a essência de Niume alcançou o céu e, em anos e mais anos de ausência, os deuses tiveram a certeza.

Os Solares haviam retornado.

__

A viagem foi difícil, tendo em vista que o Lobo teve, praticamente, de ser carregado até o povoado mais próximo.

Durante aquele tempo, Niume aproveitou do anonimato, afastando-se dos conflitos por tempo o suficiente para que fosse capaz de colocar a cabeça no lugar e absorver todas as informações adquiridas.

Syrus, por sua vez, permaneceu inconsciente por pelo menos dois meses, tempo pelo qual ele foi cuidado e mantido pela Escolhida. Quando despertou...

No começo suas noites eram povoadas por pesadelos terríveis, onde gritava, desesperado, por Ceres e jurava a morte de quem quer que houvesse a matado. Eram noites aterradoras, onde, quando o sol nascia, o Escolhido estaria em sua forma de Combate.

Naquelas noites, os aldeões rezavam para apaziguar o espírito do Deus Lobo.

Com o tempo, sua consciência retornava e começava a se estabilizar. Assim como a sua essência. O Lunar descobriu que todo o seu poderio, digno de um Ancião da Primeira Era, havia atrofiado, bem como algumas de suas lembranças se tornaram nebulosas demais.

"Eu quem devo te defender", ele dizia, com aquele tom jocoso, provocativo.

Seu aspecto físico melhorava também. Gradualmente, uma mudança lenta. Demoraria um tempo para que fosse capaz de restaurar sua antiga glória, mas, ao menos, ele já lembrava aquele Syrus antigo, portando a armadura de Moonsilver que havia sido guardada junto dos pertences de Ceres.

Ocasionalmente, se via lutando contra instintos que, outrora, foram pacificos. As vezes via demônios onde não havia nada. As vezes sentia angústia sem qualquer sentido. Mas, indiferente a tudo isso, ele resistia, porque Ceres estava com ele novamente.

Foi preciso mais quatro meses, até que ele houvesse se recuperado totalmente.

Quatro meses que passaram em um piscar de olhos. Porque, para quem havia aguardado uma eternidade para se tornar completo novamente, aquilo não significava nada.



Experiência concedida: 3 pts de exp;
Experiência extra pelas escolhas: 2 pts de exp;

Benefícios:

1. Pode aumentar essência até 4 por ter se reunido com o seu Lunar Mate;
2. Adquire Lunar Mate (5 pts) sem custo;
3. Adquire 1 artefato nível 4 e 1 artefato nível 3 (precisa gastar exp);
4. Adquire 1 Hearthstone nível 4 e duas hearthstones nível 3 (sem custo);
5. Adquire jade o suficiente para aumentar o nível de recursos em 1 ponto (sem custo).
avatar
25Slash7
Administrador
Administrador

Zodíaco : Peixes

Mensagens : 692
Data de inscrição : 09/07/2009
Idade : 33

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: (Interlúdio) Passado e Presente

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum